Observação
 

O conteúdo deste site é baseado em pesquisas realizadas pelos autores, salvo indicação em contrário. As informações apresentadas aqui têm caráter educacional e não se destinam a diagnosticar ou prescrever para qualquer condição médica nem para prevenir, tratar, mitigar ou curar tais condições. As informações contidas neste site não se destinam a substituir um relacionamento individual com um médico ou profissional de saúde qualificado. Portanto, estas informações não pretendem ser um conselho médico, mas, sim, uma partilha de conhecimentos e informações com base em pesquisas e experiências. Os leitores, sejam eles pacientes, familiares ou pessoas interessadas em prevenção, devem tomar suas próprias decisões com relação à sua saúde, com base em seu julgamento e pesquisas em parceria com um profissional de saúde qualificado. Os autores estão qualificados a dar orientações psicológicas e nutricionais.

Quimioterapia e radioterapia

O que a indústria do câncer não quer que você saiba sobre a quimioterapia e a radioterapia

 

Por Cristina Paixão Lopes

 

 

Em nosso artigo "Quimioterapia: remédio ou veneno", nós já advertimos sobre os imensos riscos da quimioterapia e por que este tratamento continua a ser prescrito como  tratamento convencional.

 

Mostramos que a quimioterapia, na realidade, não cura o câncer, mas o produz. A químio é um carcinogênico e isto é de conhecimento geral. O que acontece, como já pudemos ver, é que as drogas quimioterápicas atacam e matam as células de câncer mas, no processo, matam também as células não doentes, destroem nosso sistema imunológico e afetam outros órgãos do corpo. Na verdade, a químio apenas administra sintomas. 

É verdade que muitas vezes o tumor desaparece e exames não detectam células cancerosas após um tratamento, mas isto será por um período de tempo, porque a químio não mata as células-tronco e em algum momento elas formarão novas células cancerosas.

Faz parte do protocolo de tratamento do câncer aguardar um período de cinco anos para dizer que a pessoa está de fato curada da doença. Mas o fato é que este é um período em que o retorno da doença é menor. O risco de retorno da doença começa a crescer a partir do segundo ano e atinge seu período de maior risco entre os cinco e os dez anos após o tratamento, muitas vezes voltando na forma de outros cânceres mais agressivos e metástases. 

 

E no meio do caminho a pessoa pode morrer de outras doenças que não o câncer. E então se dirá que morreu de outra coisa, mas na verdade esta foi uma doença secundária causada pela destruição do sistema imunológico pelo tratamento - é um efeito colateral. 

A radioterapia também pode aumentar o risco de desenvolvimento de um câncer. Os tipos de câncer associados à radioterapia são inúmeros, mas principalmente leucemia e sarcomas, que se desenvolvem alguns anos após o tratamento, sendo que o risco maior está entre cinco e nove anos. A maioria dos pacientes que se submetem à radioterapia desenvolve cânceres secundários associados ao tratamento e não como consequência do câncer original. Estes cânceres provocados pela radioterapia aumentaram muito nas últimas duas décadas, porque a rádio passou a ser prescrita com muito mais frequência, em geral após a químio.

Outros riscos de câncer também são associados à radioterapia. Tumores podem se desenvolver próximo ao local exposto à rádio até 10 anos ou mais após o tratamento. Certas regiões do corpo são mais vulneráveis, como as mamas e a tireóide. 

Em todo o mundo, quase 90% dos pacientes que são submetidos a quimioterapia morrem em até 15 anos após o tratamento, seja de cânceres secundários, seja pela baixa imunidade como consequência direta do tratamento. Quimioterapia e radioterapia juntas são a principal causa de cânceres secundários em todo o mundo.

Quando uma pessoa se vê na situação de ter um câncer, a decisão de que rumo tomar, o que fazer para buscar a cura, é sempre difícil. Nós crescemos ouvindo que as únicas formas de  curar um câncer são pela cirurgia, químio e radioterapia. Mas esta é uma mentira que foi plantada e é disseminada pela indústria do câncer que lucra bilhões com o tratamento do câncer original, dos cânceres secundários, os anos de tratamento com medicamentos coadjuvantes e outras doenças que se desenvolvem em virtude do sistema imunológico fragilizado. 

Nossa missão aqui é informar, para que você possa tomar uma decisão sabendo o que está fazendo. Familiares também pressionam pelo tratamento convencional, pois não acreditam nos tratamentos naturais. 

Nosso conselho é: siga sua intuição e seja dono da sua vida. Ninguém mais pode tomar decisões no seu lugar. Se você optar pelo tratamento convencional, tome o cuidado de se informar sobre outras formas pelas quais você pode acompanhar o tratamento de modo a desintoxicar seu organismo e fortalecer seu sistema imunológico. 

Para isso estamos aqui: para trazer informações. Ajude-nos a disseminá-las. Mais pessoas poderão se beneficiar delas. 

Registre-se para receber nossas postagens e ficar informado sobre os melhores caminhos para vencer o câncer e preveni-lo.

 

 

 

Fontes:

MIHALOVIC, D. What the cancer industry does not want you to know about chemotherapy and radiation. PreventDisease.com. Disponível em: http://preventdisease.com/news/13/102113_What-The-Cancer-Industry-Does-Not-Want-You-To-Know-About-Chemotherapy-Radiation.shtml. Acesso em: 16 jun. 2016

BUTZ, A. Von. Why the best conventional treatment will never cure you from cancer. The Truth About Cancer. s.d. Disponível em: https://thetruthaboutcancer.com/conventional-cancer-treatment-never-cure-cancer/. Acesso em: 16 jun. 2016.

Quimioterapia: remédio ou veneno?
A maior contradição da quimioterapia é que ela causa câncer
Chá Essiac
Como preparar o chá Essiac
A Terapia Gerson
Como funciona a terapia Gerson
Óleo essencial de limão
Ação do óleo essencial de limão contra o câncer
O lucrativo mercado do câncer
Por que o tratamento do câncer não evolui? Porque é muito lucrativo
Alimentos que causam câncer
Os 10 principais alimentos causadores de câncer
Mostrar Mais
Observação
 

O conteúdo deste site é baseado em pesquisas realizadas pelos autores, salvo indicação em contrário. As informações apresentadas aqui têm caráter educacional e não se destinam a diagnosticar ou prescrever para qualquer condição médica nem para prevenir, tratar, mitigar ou curar tais condições. As informações contidas neste site não se destinam a substituir um relacionamento individual com um médico ou profissional de saúde qualificado. Portanto, estas informações não pretendem ser um conselho médico, mas, sim, uma partilha de conhecimentos e informações com base em pesquisas e experiências. Os leitores, sejam eles pacientes, familiares ou pessoas interessadas em prevenção, devem tomar suas próprias decisões com relação à sua saúde, com base em seu julgamento e pesquisas em parceria com um profissional de saúde qualificado. As autoras estão qualificadas a dar orientações psicológicas e nutricionais.